Sampetersburgo ou S. Petersburgo?

A razão de S. Petersburgo não ser aceitável é simples: não há em nenhum panteão um santo chamado Petersburgo. Em português não faltam nomes de santos dados a lugares: a cidade de S. Paulo, o Miradouro de Santa Luzia, a ilha de S. Vicente — um sem-fim de santos por todo o mundo. O que não há é nomes como S. Petersburgo, que só se explica pela influência da designação inglesa Saint Petersburg depois de a cidade ter mudado de nome em 1991, uma incongruência que mais depressa desmente a autoridade de um prontuário do que é legitimada por ele.
Quando o czar Pedro, o Grande, decidiu construir de raiz uma cidade na costa do Báltico num território pouco antes conquistado aos Suecos, deu-lhe o nome do seu santo, ou seja, chamou-lhe Cidade de S. Pedro. Não foi por modéstia nem por respeito pela cultura do povo vencido que lhe deu um nome germânico. Escolheu simplesmente a língua dos Países Baixos, de que gostava.
Sampetersburgo não é de facto uma palavra russa. Petrogrado, como o czar Nicolau II patrioticamente chamou à cidade em 1914, quando a Rússia entrou em guerra com a Alemanha, é bem mais russo. Gorod é uma palavra eslava antiga que passou para várias línguas modernas, entre as quais o russo, com o significado de cidade. Petrogrado queria por isso dizer Cidade de Pedro. Mais tarde ainda se chamou Leninegrado, e foi com esse nome que resistiu a uma nova investida germânica, durante a segunda guerra mundial, mas em 1991 tudo voltou ao princípio.
Nos jornais em português anteriores à última mudança, o que aparecia nas notícias da atualidade era Leninegrado; nos livros de história, a autoridade do Vocabulário de Rebelo Gonçalves dominava e em geral quando se referia a cidade fundada pelo velho czar na foz do Neva escrevia-se Sampetersburgo. Depois de 1991, as fontes quase sempre em inglês do jornalismo, adaptadas à pressa, generalizaram a forma que hoje predomina. Mas as origens deste mau hábito são tão claras e recentes e o resultado tem tão pouca graça que era bem melhor que nos deixássemos de patetices.

There is one comment

  1. Anna Sif Gunnarsdóttir

    Não acho que nomes de cidades ou países devam ser adaptados ou traduzidos! Se o nome russo da cidade é Санкт-Петербу́рг, transliterado como Sankt-Peterburg, assim ela deveria ser chamada em qualquer idioma! Acho horrível ver o nome da minha amada Reykjavík adaptado para Reiquiavique

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s